Liberdade e dignidade : as principais datas da história de Cabinda

Cronologia dos movimentos de independência de Cabindais e algumas datas importantes que influenciaram sua luta.

Fevereiro de 1885

Cabinda torna-se um protetorado de Portugal, sob o Tratado de Simulanbuco.

1948

Nascimento dos movimentos precursores do nacionalismo cabindano. O COMCABI foi criado em 1948.

1954

Início da exploração de petróleo.

1956

O governo português cria uma união administrativa entre Cabinda e Angola.

1959

Criação da Associação de Nacionais do Enclave de Cabinda (AREC).

Outubro de 1960

O Sr. Stéphane Tchitchelle, Ministro das Relações Exteriores do Congo-Brazzaville, proferiu um discurso no pódio das Nações Unidas, onde informou as Nações Unidas das reivindicações de Cabinda por sua soberania, referindo-se à petição feita pela Representantes de Cabindais.

1961

Criação do Movimento de Libertação do Enclave de Cabinda (MLEC). Revolta dos Bakongo na Baixa de Cassange, marcando o início da guerra colonial.

1961

O Sr. Emmanuel Dadet, representante do Congo Brazzaville nas Nações Unidas, foi a segunda personalidade responsável por transmitir a esta instituição a ampliação do pedido exigindo a independência de Cabinda, dirigido às autoridades de Lisboa pelos notáveis ​​de Cabinda.

1962

Criação do Comitê Nacional de Ação Sindical (CAUNC) e ALIAMA (Aliança Mayombe).

Novembro de 1962

O Sr. Luis Ranque Franque, Presidente do Movimento de Libertação do Enclave de Cabinda exige, durante a décima sétima sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas, a criação de uma comissão para a solução da disputa luso-cabindiana.

3-4 de agosto de 1963

Criação da FLEC resultante da fusão da MLEC da Ranque Franque, CAUNC de Nzita e ALIAMA de Eduardo Sozinho. Luis Ranque Franque eleito Presidente da FLEC.

Dezembro de 1963

Alphonse Massamba Debat se torna presidente do Congo-Brazzaville e opta pelo socialismo Bantou.

1964

Portanto, é graças a esses sucessos diplomáticos anteriores que o presidente da FLEC, Luis Ranque Franque, teve que se dirigir em 1964 à assembléia geral da Organização da Unidade Africana (OUA) no Cairo, por novamente colocam o problema de Cabinda. Durante esta assembléia de agosto, Cabinda foi admitida pela OUA como o 39º país a ser descolonizado, distintamente de Angola, classificada em 35º.

1965

Mobutu assume o poder no Congo-Kinshasa.

1969

Marien Ngouabi se torna presidente da República do Congo-Brazzaville com a criação do Partido Trabalhista Congolês (PCT), próximo ao MPLA.

1974

Revolução dos Cravos em Portugal. Alguns meses depois, em setembro, a Almirante Vermelho, Rosa Coutinho, tomou o poder e deu total apoio ao MPLA.

Janeiro 1975

O acordo de Alvor, que declara Cabinda uma “parte integrante e inalienável de Angola”, é assinado por três movimentos de libertação angolanos: a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA); MPLA; e a União Nacional pela Independência Total de Angola (UNITA).

Fevereiro de 1975

David Charles Ganao (Congo) e Bagbeni Adeito Nzengeya (Zaire), Ministros das Relações Exteriores, declararam durante a 24ª sessão ordinária do Conselho de Ministros da OUA, que Cabinda não será parte integrante de Angola e deve ser um estado na mesma base que outros estados.

Novembro 1975

Proclamação da independência da República Popular de Angola por Agostinho Neto. A FNLA e a UNITA, por sua vez, proclamam a República Democrática de Angola no Huambo. A FLEC declara independência em uma cúpula da OUA.

1977

Primeira divisão da FLEC: é criado o comando militar para a libertação de Cabinda (CMLC). Dessa divisão também surgirão outros movimentos como a FLEC-Lubota.

1979

Despejo do general Joachim Yombi Opango da Presidência no Congo Brazzaville em favor do coronel Denis Sassou-Nguesso, que assume o poder.

1979

Morte de Agostino Neto e chegada ao poder de José Eduardo do Santos

1983

Formação da Posição Militar da FLEC (FLEC-PM) no campo de refugiados de Kimbianga, Zaire.

1990

Seqüestro de Brent Swan pela empresa americana Chevron FLEC-PM, sinalizando o início de uma longa campanha de seqüestros.

1994

Criação do Forum des Nationalistes Cabindais (FONAC), que reúne a FLEC-FAC, FLEC-R, FLEC Originel, FDC, UNALEC, MRITC, UNLC, RDPC e CIC.

1996

Assinatura dos acordos da Midgard Lodge em Libreville, levando a tréguas com a FLEC-R e a FLEC-FAC.

2002

Lançamento da Operação Vassoura, que priva a FLEC de sua base histórica na floresta de Mayombe, Kungo-Shonzo.

Agosto de 2003

Luis Ranque Franque, fundador da FLEC, participa em discussões preliminares com as autoridades de Luanda.

2004

Criação de Mpalabanda (a árvore que resiste ao fogo). Cisma no clero de Cabindais.

2004

Formação do Fórum Cabindais para o Diálogo (FCD) em Helvoirt (Holanda) entre as diferentes facções dos movimentos de independência.

Fevereiro de 2005

A principal organização civil da província de Cabinda, a Associação Cívica de Mpalabanda, publica um relatório detalhado sobre cerca de 70 supostas violações, incluindo assassinatos, estupros, estratégias de intimidação e detenções ilegais, realizadas por tropas do governo contra homens, mulheres e crianças entre setembro de 2003 e dezembro de 2004.

2006

Memorando de Entendimento do Namibe assinado com uma facção do FCD. Embora Angola diga que o acordo concede a Cabinda “status especial”, os membros dissidentes da FLEC prometem continuar a luta.

2010

Ataque em um ônibus que transportava jogadores da seleção nacional do Togo durante a Copa das Nações Africanas, matando três.

Setembro 2017

Mudança política em Angola, eleição para a Presidência da República de Angola do general João Lourenço e José Eduardo do Santos continua a ser o chefe do MPLA.

Fevereiro 2018

O Padre Jorge Casimiro Congo nomeou Secretário de Educação no Governo Provincial de Cabinda.

25 de Fevereiro de 2018

Morte do último dos três co-fundadores da FLEC em 1963, do Secretário Geral da FLEC António Eduardo Sozinho Nzau (Presidente da ALLIAMA), depois do Presidente da FLEC Luis de Gonzaga Ranque Franque (falecido em setembro de 2007, Presidente da MLEC) e do Vice-Presidente da FLEC Henriques Nzita Tiago (falecido em junho de 2016, Presidente da CAUNC).

21 a 24 de Outubro de 2019

Criação do Alto Conselho de Cabinda (ACC) em Accra, Gana, durante a reunião inter-Cabindaise organizada pela Organização para o Desenvolvimento da África (OAD), no Centro Internacional de Treinamento para Manutenção da Paz Koffi Annan ( KAIPTC).

YouTube
%d bloggers like this: